Toda escola deve ser um local voltado à promoção e construção de uma educação sustentável de valores sociais, conhecimentos, habilidades e atitudes sustentáveis. Isto porque, principalmente, é na fase escolar que crianças e jovens estão mais propícios a aprender, livres de preconceitos e condicionamentos que podem minar seu crescimento social e intelectual.

O ambiente escolar não tem como único objetivo a educação de crianças. Mas também, é fundamental para a sociedade, já que tem a capacidade de irradiar sua influência e formar cidadãos. Por isso, é fundamental que as escolas estejam preparadas para se tornarem Escolas Sustentáveis.

Importância da educação sustentável nas escolas

Por considerar o desenvolvimento sustentável como característica essencial para o desenvolvimento da humanidade, a escola como um elemento de facilitador para uma educação sustentável na prevenção e enfrentamento dos riscos ambientais, o Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação vem propondo soluções sustentáveis para as escolas.

Uma delas é o Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Escolas Sustentáveis, que objetiva o repasse financeiro para colégios públicos com pelo menos 199 alunos. O intuito do programa é de criar comissões participativas da comunidade escolar, subsídio para materiais pedagógicos e saídas de campo com foco na educação ambiental, adequação do espaço físico para soluções sustentáveis e educativas, etc.

Se as escolas públicas já vêm buscando soluções sustentáveis, escolas particulares também não estão ficando para trás. Ao todo no Brasil, colégios de ensino básico, fundamental e médio estão em transição para a sustentabilidade.

Como transformar uma escola com a educação sustentável?

A transição para a sustentabilidade pode ser empregada em uma escola por meio de três dimensões: Currículo, Gestão e Espaço Físico.

Entre as iniciativas que podem aprimorar o currículo escolar para a sustentabilidade estão a inclusão de um Projeto Pedagógico que conte com atividades contextualizadas para a realidade local e que leve em consideração os conhecimentos e saberes sustentáveis.

Já em relação à gestão, uma opção é aprofundar o contato entre a comunidade escolar e o seu entorno, por meio da criação de um colegiado em que participem estudantes, professores, país e comunidade para discutir formas de promover a sustentabilidade em toda sua dimensão.

Entre as iniciativas mais tangíveis estão as transformações no espaço físico. Confira algumas ideias de educação sustentável para a sua escola:

1. Gestão dos resíduos

Mais do que a reciclagem, é fundamental adotar e ensinar uma educação sustentável nas escolas a Política dos 3 R’s: Reduzir, Reutilizar e Reciclar. Por isso, a mudança deve partir da redução do consumo por meio de uma análise do que realmente é necessário e o quais produtos estão sendo desperdiçados.

Dos produtos que realmente devem ser consumidos, existem coisas que podem ser reutilizadas? E dessa porção, o que pode ser reciclado?

Em relação a reciclagem, uma Escola Sustentável pode firmar parcerias com cooperativas de catadores de materiais reciclados da sua região. Essa atitude pode garantir a destinação correta dos seus resíduos, além de apoiar uma iniciativa local e até criar atividades de extensão e educação ambiental em conjunto com a cooperativa.

2. Captação de água da chuva

Além de representar uma ótima fonte de economia, a captação de água da chuva proporciona conscientização sobre a importância dos recursos hídricos e a vivência sobre o ciclo da água. Com um sistema de calhas que direcionam a chuva para um reservatório passando por um filtro simples, a água pode ser empregada na escola para diversos fins não potáveis, como a limpeza e a irrigação de jardins e hortas.

3. Hortas orgânicas

Cada dia mais em pauta, a alimentação saudável vem sendo apontada como a grande fonte de qualidade de vida, e é aqui que entram os alimentos orgânicos.

Além de trazer este debate para a sala de aula, uma horta orgânica pode complementar discussões como segurança alimentar, transgenia, saúde, interação de fauna e flora, preservação ambiental, clima e outros tantos temas. Esta é uma ótima maneira para dar forma ao conteúdo teórico ensinado em classe.

Além disso, as hortas podem abastecer os refeitórios e lanchonetes e não representam um investimento alto.

4. Painéis solares

A energia solar fotovoltaica é um fonte renovável e limpa apontada como uma das grandes potencialidades no nosso país e no mundo. Além de eficiência energética e a redução de custos, os painéis solares são uma tecnologia super moderna que vem, a cada dia, sendo mais aprimorada.

Como nele a produção de energia é descentralizada, cada escola se torna sua própria produtora de eletricidade, ou seja, ela é geradora e consumidora do espaço de educação.

A fonte solar fotovoltaica mobiliza diversos saberes, como tecnologia, matemática, ciências e física, e – de maneira mais interdisciplinar – até noções de economia e empreendedorismo.

Assuntos atuais como o aumento da demanda energética e mudanças climáticas podem decorrer de aulas expositivas que utilizem o contexto escolar da produção de energia solar.

Saiba mais sobre energia solar em escolar neste post da ATP Solar

Atualmente, cada vez mais escolas no Brasil buscam selos de certificação de edificações sustentáveis. A principal é a internacional LEED (Leadership in Energy  and Environmental Design) que demonstra o compromisso do empreendimento com a sustentabilidade.

Os requisitos para se obter o selo são: A utilização racional de água, eficiência energética, gestão de resíduos, qualidade de ambientes internos, espaço sustentável, inovação tecnológica e atendimento a necessidades locais.

Mais do que ensinar sobre a sustentabilidade, as escolas devem estar prontas para agir deste modo e preparar seus alunos para um futuro sustentável.

Saiba mais sobre energia solar em nosso site.

Quer saber mais sobre como transformar o seu empreendimento em um negócio mais sustentável? Baixe o nosso Ebook!